7 filmes de diretoras indígenas que você poderá assistir no II Fincar

As inscrições do II FINCAR ficaram abertas durante um único mês, o suficiente para que mais de mil filmes dirigidos por mulheres fossem inscritos. Só no Brasil, o país que mais teve candidaturas nesta segunda edição, foram cerca de 300 trabalhos submetidos à curadoria. Durante o festival, apresentaremos sete filmes feitos por realizadoras indígenas.

Patrícia Ferreira, co-diretora do filme Teko Haxy – Ser Imperfeita

A realizadora Patrícia Ferreira, a primeira diretora indígena a exibir um longa-metragem no FINCAR, co-dirigiu o documentário experimental Teko Haxy – Ser Imperfeita com a artista visual e antropóloga não-indígena Sophia Pinheiro. As duas realizadoras estarão presentes nos debates pós-sessões do média-metragem no Recife e em Camaragibe.

Saiba mais sobre os filmes de diretoras indígenas na programação do II FINCAR:

TEKO HAXY – SER IMPERFEITA longa de Patrícia Ferreira e Sophia Pinheiro (BRA) | Sex, 17/08, 20:30 no Cinema São Luiz. | Sáb, 18/08, 19h, no Cine Teatro Bianor Mendonça Monteiro (Camaragibe). Sessões seguidas de debate com as realizadoras.

TEKO HAXY – SER IMPERFEITA
Documentário, Experimental | Colorido | 39′ | 2018 | Brasil
Direção: Patrícia Ferreira e Sophia Pinheiro

Sinopse: Um encontro íntimo entre duas mulheres que se filmam. O documentário experimental é a relação de duas artistas, uma cineasta indígena e uma artista visual e antropóloga não-indígena. Diante da consciência da imperfeição do ser, entram em conflitos e se criam material e espiritualmente. Nesse processo, se descobrem iguais e diferentes na justeza de suas imagens.

RETOMAR PARA EXISTIR curta de Olinda Muniz Wanderley (BRA) | Qua, 15/08, 18:30 no Cinema São Luiz;

Documentário Retomar para existir

RETOMAR PARA EXISTIR
Documentário | Colorido | 20’26” | 2015 |Brasil
Direção: Olinda Muniz Wanderley

Sinopse: O documentário descreve a história do cacique Nailton Pataxó enquanto líder, e sua luta para reconquistar o território do povo Pataxó Hã-hã-hãe. Através da narrativa dos personagens que contam a história deste líder indígena, o espectador é levado pela própria história do povo Pataxó Hãhãhãe e sua luta, enfatizando os fatos ocorridos de 1982 até o presente.

LOS HILOS DE LA VIDA DE LAS MUJERES JAGUAR curta de Mulheres Mayas KAQLA (GUA) | Quin, 16/08, 14:00 no Cinema da Fundaj (Derby);

Los Hijos de Las Mujeres Jaguar

LOS HILOS DE LA VIDA DE LAS MUJERES JAGUAR
Documentário | Colorido | 21′ | 2013 | Guatemala
Direção: Mulheres Mayas KAQLA

Sinopse: A violência, com suas diferentes faces, é um dos fios com os quais as vidas das mulheres maias foram tecidas. Ele marcou as cores e o desenho de suas vidas; mas a intensidade da energia feminina (Ix, jaguar), deu-lhes a força e sabedoria para continuar vivendo e apagar as impressões. É necessário eliminar a violência como uma das tramas históricas da vida dessas mulheres; é necessário mitigá-lo para a plenitude das próprias mulheres, novas gerações, povos e humanidade.

A MOTHER’S DREAM curta de Cherilyn Papatie (CAN) | Quin, 16/08, 14:00 no Cinema da Fundaj (Derby);

A mothers dreams

A MOTHER’S DREAM
Documentário | Colorido | 4’58” | 2007 | Canadá
Direção: Cherilyn Papatie

Sinopse: O estado permite a uma mãe apenas algumas horas preciosas com seus filhos em um recinto de feiras em algum lugar no Canadá. Essas crianças não podem morar em sua casa real. Passeios de carrossel e rostos brilhantes desmentem as lágrimas em momentos silenciosos e inobservados, enquanto a despedida dolorosa se aproxima. Uma visão pessoal sobre a questão das ‘Gerações Roubadas’.

VOZ DAS MULHERES INDÍGENAS curta de Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu (BRA) | Sex, 17/08, 14h no Cinema da Fundaj (Derby);

A Voz das Mulheres Indígenas

VOZ DAS MULHERES INDÍGENAS
Documentário | Colorido | 17′ | 2015 | Brasil
Direção: Glicéria Tupinambá e Cristiane Pankararu

Sinopse: O documentário reúne depoimentos de mulheres indígenas da Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Alagoas acerca de suas trajetórias no movimento indígena.

TEKOHA – SOM DA TERRA curta de Valdelice Veron (Xamiri Nhupoty) e Rodrigo Arajeju (BRA) | Sex, 17/08, 18:30 no Cinema da Fundaj (Derby);

Tekoha

TEKOHA – SOM DA TERRA
Documentário | Colorido | 20’ | 2017 |Brasil
Direção: Valdelice Veron (Xamiri Nhupoty) e Rodrigo Arajeju

Sinopse: Nossas mães lideram a retomada do Tekoha Takuara pelo nosso modo de ser e viver – nhande reko. O agronegócio avança sobre corpos-terras indígenas no Mato Grosso do Sul. A luta para recuperar a terra sagrada, a essência da vida na nossa cosmovisão. O luto pelo genocídio Kaiowa e Guarani no Brasil.

MENSAGEIRO DO FUTURO curta de Graciela Guarani (BRA) | Sáb, 18/08, 15:15 no Cinema da Fundaj (Derby). Sessão seguida de debate com a realizadora.

Mensageiro do Futuro

MENSAGEIRO DO FUTURO
Documentário | Colorido | 12’13” | 2016 |Brasil
Direção: Graciela Guarani

Sinopse: Mba’eicha Nhande Rekova’erã, que em português significa Mensageiro do Futuro, faz um breve recorte de algumas questões pertinentes e urgentes em uma das reservas indígenas mais populosas do país, percorrendo sobre as narrativas e expectativas sábias dos Nhanderu, Nhandesy e dos jovens sobre as suas realidades.

Serviço:

II FINCAR – Festival Internacional de Cinema de Realizadoras

Quando: de 14 a 19 de agosto de 2018

Onde: Cinema São Luiz (Rua da Aurora, 175, Boa Vista) e Cinema da Fundação Joaquim Nabuco (Rua Henrique Dias, 609, Derby) e Cine Teatro Bianor Mendonça Monteiro (Av. Dr. Pierre Collier, 441, Vila da Fábrica – Camaragibe)

Quanto: Cinema São Luiz (R$ 3), Cinema da Fundação Joaquim Nabuco (R$ 2) e Cine Teatro Bianor Mendonça Monteiro (gratuitas).

Informações: http://www.fincar.com.br/