Apresentação

O FINCAR – Festival Internacional de Cinema de Realizadoras começa os preparativos para a sua segunda edição, que acontece este ano. Equipe (quase toda) formada, debates frutíferos, compartilhamentos, e todo um caminho pela frente que começa a ser trilhado para mais debates e ações. Desde 2016, várias perguntas continuam e outras surgem em nós, nos provocando. Entre tantas, por que continuar fazendo um festival de cinema de realizadoras? O que à primeira vista pode parecer uma dúvida, mais a fundo se revela uma necessidade de reflexão constante em conexão com o presente e sua realidade social e política.

Num festival bienal como o nosso, o tempo, que poderia formar um vácuo, acaba atuando a nosso favor, nos trazendo e levando questões. Nos trouxe vivências como o #OcupeCineOlinda, uma ocupação de um cinema histórico na cidade de Olinda, há 51 anos fechado e há 32 anos em reformas por parte do poder público. O movimento social ativou momentaneamente um entre tantos dos nossos equipamentos culturais negligenciados pelo estado. No Cine Olinda de portas abertas, vivenciamos um projeto de cinema público e popular que acreditamos. E continuamos a nos perguntar: cinema de quem? Para quem? Com quem? A partir dessa vivência, percebemos que o FINCAR, nesta segunda edição, deve continuar aprofundando sua diretriz de buscar outras formas de se relacionar com a cidade. Se na primeira edição ocupamos o Cinema São Luis e investimos no Circuito Cineclubista FINCAR-FEPEC para uma descentralização das exibições, queremos este ano dar mais um passo nessa direção construindo também parcerias com outros cinemas públicos da Região Metropolitana do Recife.

Nesse mesmo intervalo de tempo, ocorreu o golpe contra a primeira presidenta desse país. Muitos homens brancos ao redor de uma mesa tomando posse de algo que não lhes cabe. Golpe. Golpes. Estejamos atentxs aos tantos golpes (históricos e atuais) que formam a estrutura opressora desse país. Um conservadorismo raivoso sempre esteve presente (talvez apenas para alguns de nós), mas agora nos mostra os dentes com orgulho novamente. E o que construímos então? O que partilhamos entre nós, entendendo a potência das nossas diferenças? Essas perguntas ecoam dentro da equipe do festival esse ano e reverberam nas nossas propostas e ações que serão divulgadas mais à frente.

E o que mais poderia ser o FINCAR se não um espaço de partilha e formação (inclusive para sua equipe)? Todo espaço que se deseja ser de intervenção política deve ser um lugar sobretudo de formação. E é nesse lugar que queremos construir nosso debate estético-político, disputar narrativas, nos fortalecer. E nada disso é diferente de dizer que fazemos um festival de cinema. Apenas explicita nossa tomada de posição diante do cinema, diante da imagem, diante das pessoas que realizam e do público.

Continuamos sendo um espaço EM construção. E desejamos sempre ser. Sempre em movimento, sempre permeáveis, em transformação. As portas estão abertas para quem quiser somar! A identidade visual desta edição, feita pela artista Bia Rodrigues (@BIARRITZZZ), nos traz a força de fincar o pé no chão e ao mesmo tempo levitar. Existe muito chão para correr e muitos pensamentos para compartilhar!

Equipe FINCAR


Expediente

Direção artística
Maria Cardozo

Produção
Orquestra Cinema Estúdios
Vilarejo Filmes

Produção Executiva
Lívia de Melo

Produção de articulação
Anna Andrade

Assistência de produção
Jéssica Otaviano
Thayná Almeida

Controller
Luíza Tenório
Vitor Cunha

Curadoria
Ana Carvalho
Aurora Jamelo
Cíntia Lima
Elaine Gomes
Íris Regina Gomes
Janaína Oliveira
Maria Cardozo
Mariana Porto
Sabrina Luna

Assistência de curadoria
Erlania Nascimento
Julia Karam
Karla Fagundes
Mariana Souza
Rayanne Layssa

Arte
Bia Rodrigues

Website
Lady Laay


Contato

fincar.comunicacao@gmail.com